terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Educação é a única solução!

 “Eu sou Malala. Meu mundo mudou, mas eu não.”
Essa é a frase que encerra a belíssima história de uma menina que usou a sua voz para pedir o direito de estudar e por isso incomodou muita gente em seu país. Como consequência foi baleada pelo Talibã e quase morreu.
Quase....por que uma voz que clama pelo direito á igualdade não pode ser abafada por armas.
A história nos mostra que não importa quem você seja, em que cultura ou grupo social está inserido, qual sua ideologia política ou religião, todos temos direitos e por isso temos o dever de respeitar o direito do outro para sermos respeitados.
Malala nasceu no Paquistão, um lugar tão diferente do Brasil, e atualmente tão igual.
No Paquistão, segundo a narrativa do livro, as meninas não tem direito a educação, enquanto que os meninos são treinados para o exército, Não há transporte público de qualidade, hospitais, saneamento básico adequado, nem sequer a liberdade de expressão. Aqui  também há falta de atendimento médico, medicamentos, há uma super lotação no transporte público, moradias sem saneamento básico, escola para todos.  Temos a liberdade de expressão, mas muitos não sabem como usá-la, pois não perceberem a importância dos livros e lápis no lugar das armas. Então criticam a educação que não valorizaram na infância. O que assistimos atualmente nos noticiários nada mais é do que uma guerra sem palavras.
Malala, aos 16 anos, ela foi indicada ao prêmio Nobel da paz e discursou na ONU pedindo um direito fundamental – educação para todos – leia trechos desse discurso:
“Queridos irmãos e irmãs, nós percebemos a importância de luz quando vemos a escuridão. Nós percebemos a importância de nossa voz quando somos silenciados........nós percebemos a importância de livros e canetas quando vimos as armas......Os sábios dizem que “A caneta é mais poderosa do que a espada”. É verdade. Os extremistas têm medo dos livros e canetas, o poder da educação os assusta...... Eu lembro de um garoto na minha escola que foi perguntado por um jornalista: Porque o Talibã é contra a educação? Ele respondeu de forma muito simples. Apontando para o livro, ele disse: Um Talibã não sabe o que está escrito neste livro.

Então hoje nós pedimos aos líderes mundiais que mudem sua estratégia política em favor da paz e da prosperidade. Nós pedimos aos governantes que assegurem educação gratuita em todo o mundo para todas as crianças. Nós pedimos aos governantes que lutem contra o terrorismo e a violência. Que protejam crianças da brutalidade e do mal. Nós pedimos às nações desenvolvidas que apoiem a expansão das oportunidades de educação para meninas do mundo em desenvolvimento. Nós pedimos a todas as comunidades que sejam tolerantes, que rejeitem o mal baseado em castas, crenças, cor, religião e opiniões, para assim garantir a paz e a igualdade

Queridos irmãos e irmãs, nós não podemos esquecer que milhões de pessoas estão sofrendo com pobreza, injustiça e ignorância. Nós não podemos esquecer que milhões de crianças estão fora da escola. Nós não podemos esquecer que nosso irmão e irmãs estão esperando por um futuro brilhante e pacífico.
Por isso vamos travar uma luta gloriosa contra o analfabetismo, a pobreza e o terrorismo. Vamos pegar nossos livros e canetas, eles são as armas mais poderosas que existem. Uma criança, um professor, um livro e uma caneta podem mudar o mundo. Educação é a única solução....”


Eu amei o livro e dei dois exemplares de presentes. Indico a todos. Boa leitura!

Nenhum comentário: