quinta-feira, 27 de junho de 2013

VOCÊ SABE O QUE É TRANSTORNO DE AJUSTAMENTO?

Entre 2% e 8% das crianças e dos adolescentes sofrem desse transtorno.
imagem do google
Quando falamos de patologias entre crianças e adolescentes são muitos os transtornos citados pelos artigos científicos, pela comunidade médica e escolar e pela sociedade como um todo.
Em uma sociedade consumista, onde todos os olhares estão voltados para otere quase nunca para oser, precisamos ter um olhar cuidadoso para a formação e a educação de nossas crianças e adolescentes.
Com a complexidade dos relacionamentos em nossa sociedade ficou mais difícil para as nossas crianças aprenderem a lidar com seus sentimentos, medos e frustrações. Vamos falar um pouco sobre um transtorno não muito citado nos corredores escolares e desconhecido pela maioria dos pais e professores, o transtorno de ajustamento.
Esse transtorno aparece quando um fator, chamado de estressor específico, culmina em determinados sintomas emocionais e alterações de comportamento em resposta a um acontecimento na vida da criança. Em nossa sociedade é muito comum que os pais para suprirem sua falta - por trabalharem demais ou por estarem assoberbados pela demanda de afazeres - tentem atender a todos os desejos de seus filhos (no quesito consumo) e quando não conseguem fazê-lo, as questões das crianças passam despercebidas.


imagem do google
O transtorno de ajustamento acontece quando em uma situação extrema de estresse a criança não consiga lidar com o problema. Para oDrºGustavoTeixeiraespecialista no assunto, esse problema não se trata apenas de uma tristeza , mas sim de algo profundo que faça a criança parar de brincar ou se divertir, como por exemplo: a morte de alguém próximo, a separação dos pais ou o bullying na escola. Problemas esses que em algum momento da vida poderiam causar algum sofrimento durante um tempo, porém no caso em análise esse tempo se prolonga causando sérios prejuízos na vida social e emocional da criança. Nesse momento existe a necessidade de uma avaliação médica.

Cada criança e adolescente tem uma reação frente aos seus problemas e em cada realidade eles irão dispor de um contexto social, familiar e escolar. É nesse momento que eles utilizarão sua rede de apoio para enfrentar a realidade que se apresenta e que sua família poderá ajudá-los. Esse apoio é muito importante, pois todos os participantes desse contexto devem se aliar para mostrar à criança ou ao adolescente o que realmente é necessário para enfrentar seus anseios e suas dificuldades emocionais.
Quando percebemos mudanças no comportamento dessa criança ou adolescente, como brigas no recreio ou mesmo falta de motivação para atividades, devemos compartilhar informações (escola e família) para os acompanhar de perto e, persistindo esses comportamentos, buscar ajuda de especialistas.
Quando o transtorno se instala, existe a necessidade do acolhimento desse indivíduo pelas pessoas que o cercam (família e escola) para que ele possa transformando o seu problema, e assim, ir retornando a sua vida normal. Esse transtorno, segundo Drº Gustavo Teixeira, pode ocorrer até 6 meses após o término do problema que o causou e pode desencadear comportamentos desajustados que geralmente a criança e o adolescente não teriam. Esses comportamentos podem ser desde uma nota baixa, até algo mais extremo como comportamentos agressivos. Lembrando que esses sintomas, as vezes, estão agregados a outros sintomas que podem em algum momento se confundir com outras patologias, como depressão e ansiedade. Pode ser característica desse transtorno um sofrimento extremo, podendo causar danos na vida emocional e escolar desse adolescente ou criança. Segue abaixo uma tabela de sintomas dos transtornos de ajustamento na escola, idealizada pelo Drº Gustavo Teixeira:

Transtorno de ajustamento na escola

Sintomas emocionais relacionados com um fator estressor específico:

  • Queda abrupta no desempenho acadêmico.
  • Problemas de relacionamento social.
  • Brigas no recreio.
  • Sofrimento acentuado.
  • Ansiedade.
  • Irritabilidade.
  • Tristeza.
  • Falta de Motivação.
  • Prejuízo na autoestima.



É normal no dia-a-dia escolar nos depararmos com crianças com esses sintomas, o papel do professor ou orientador é investigar junto aos familiares ou na classe o que está acontecendo e motivando o comportamento da criança ou do adolescente desta forma (na escola ou em casa). É importante para o restabelecimento dessa criança que ela tenha momentos de aconselhamento familiar para que exista um crescimento pessoal, dando estabilidade e força para seguir em frente. Desta forma, o mais prudente é que tanto a escola quanto a família se preparem para lidar com as dificuldades que a criança possa encontrar. Buscar conhecimento e ajuda terapêutica junto a um médico é um dos principais caminhos, pois caso contrário, esse transtorno pode trazer muito sofrimento para a vida da criança. 


Bibliografia Consultada:

Teixeira, Gustavo. Manual dos transtornos escolares:entendendo os problemas de crianças e adolescentes na escola /Gustavo Teixeira. - Rio de Janeiro:BestSeiier,2013.

Acessando o link http://www.comportamentoinfantil.com/index.html do Drº Gustavo, você poderá ter mais informações sobre esse tema.


CONTATOS:


Nenhum comentário: