quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Preconceito com o Professor

Em uma reportagem publicada recentemente na Revista Nova Escola, pode-se ler o seguinte trecho:

Resultados da pesquisa confirmam mudança de perfil entre os que escolhem a docência. Maior parte dos candidatos vem de famílias de baixa renda e pouca escolarização, estudou em escola pública, trabalha para pagar a graduação e faz parte de um grupo com fraco repertório cultural
maria cristina de souza lopes chabes - Postado em 25/02/2010 14:16:21<


Não Concordo com essa informação. Após muitos anos dividindo meu tempo entre ser mãe e trabalhar em empresas, decidi voltar a estudar e escolhi a Pedagogia por ter sempre amado essa profissão. Minhas amigas na faculdade eram também mulheres maduras que após verem seus filhos criados resolveram dedicar seu tempo a educação de outras crianças. Eram mulheres de todos os níveis sócio-econômicos e que tinham por grande objetivo ajudar a melhorar a educação neste país. Existem muitos profissionais na área que gastam parte do salário que recebem para comprar material didático ou tirar xerox de atividades afim de disponibilizar melhores recursos para seus alunos. Não ouvi notícia na mídia falando do quando os professores produzem em suas casas no período em que não estão na escola, mas constantemente leio notícias sobre o fraco desempenho destes profissionais. Muitos pagam cursos de especialização ou mestrado, com o objetivo de melhorar seu desempenho frente aos alunos, embora o noticiário relate somente casos de professores que não se atualizam. Eles têm recursos financeiros para isso? Particularmente busquei o curso de Psicopedagogia para melhor compreender e atender os alunos com necessidades especiais que estão em sala de aula regular. Não ouvi na mídia notícias sobre a real atuação de professores, que anônimos na sociedade, tanto contribuem para o crescimento deste país. Pensem a respeito de quem eles são e de quem realmente são os futuros professores dentro de "todas" as universidades. Atenciosamente Maria Cristina de Souza Lopes Chabes

2 comentários:

Joanirse disse...

Olá..

Em qual revista saiu?
Penso que vc pode discordar... olhando o meio em que vive, mas pesquisa é pesquisa... É questão de Brasil. Analisando a notícia que vc colocou... pensei nos meus professores quando estudava, lá nos idos dos anos 80 e nos professores meus colegas hoje e os que estão entrando. Tem uma grande diferença.
Não sei se a pesquisa está errada, não.

Quanto aos outros comentários que vc fez... concordo contigo. Mas lembre-se... Você pode fazer 99 coisas legais, mas se fez 1 errada, vão lembrar de você pelo que vc fez errado.

Abraços,
Joanirse

Prô Rirela disse...

Acho que entendo seu desconforto... Também senti como preconceituosa, apesar da colega Joanirse nos alertar de que pesquisa é pesquisa. O que realmente pegou foi a história do fraco repertório cultural. É claro que temos professores que garantem que essa pesquisa seja verdadeira, mas há muitos (muitos mesmo!) que não se enquadram nisso. Agora, ter vindo de famílias pobres ou ter estudado em escola pública não vejo como ofensa.